Português  |   English  |   Español  |  

 
 
 

Trabalhos

TN_STO_197_114_24715 - TEORIA DE OPÇÕES REAIS: Avaliação Econômico-Financeira de Projetos na Indústria Cerâmica

Autores:
Leony Luis Lopes Negrao e Mariana Pereira Carneiro.

Resumo:
O presente estudo teve como objetivo avaliar economicamente a implantação do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo na substituição de biomassa não renovável por biomassa renovável no processo produtivo de uma empresa de cerâmica vermelha. A avaliação pretendeu demonstrar o valor da flexibilidade gerencial de Diferimento conforme adaptações realizadas na metodologia proposta por Copeland & Antikarov (2001), a qual adiciona à avaliação tradicional de fluxo de caixa descontado a Opção Real - OR. Essa determinação seguiu um roteiro de etapas essenciais para a análise das variáveis que compreendem o modelo e que possibilitou a ordenação dos resultados quanto aos valores da OR considerada e do valor presente incluindo a flexibilidade gerencial. Finalmente, como resultado deste estudo concluiu-se que a Teoria de Opções Reais por meio da Opção de Diferimento ou Adiamento contribuiu com informações que auxiliaram nas decisões gerenciais de investimento em projetos quando comparados à metodologia tradicional de avaliação visto que são consideradas incertezas inerentes ao projeto, tal como o ambiente real.

Palavras-chave: Opções Reais, Indústria Cerâmica, Crédito de Carbono

TN_STO_197_114_24937 - MODELO DE APLICAÇÃO PRÁTICO DA TOC

Autores:
Luciano Oliveira das Neves e Marco Antonio Paletta.

Resumo:
O objetivo deste artigo e demonstrar uma forma prática de aplicar o modelo desenvolvido por Goldratt em cinco passos. Para isto, foi utilizado como referência um dos exemplos práticos do livro "Manual da Teoria das Restrições" dos autores James F. Cox III e Michael S. Spencer. A pesquisa apresenta como a teoria das restrições pode contribuir para aumentar o ganho no sistema com a administração dos recursos e o controle das restrições. A aplicação do modelo é através dos cálculos matemáticos, do processo de decisão e das técnicas de melhoria continua que busca atingir resultados eficazes para qualquer sistema.

Palavras-chave: Modelo Prático da TOC; Método da TOC; Teoria das Restrições; Aplicação Prática da TOC.

TN_STO_197_115_25732 - Análise da eficiência socioeconômica dos municípios mineradores da Região Norte do Brasil: uma aplicação de Análise Envoltória de Dados (DEA).

Autores:
Thais Abrahim Chaves, Keila Regina Mota Negrao, SERGIO CASTRO GOMES e EUGENIA ROSA CABRAL.

Resumo:
O artigo tem como objetivo analisar a eficiência técnica de municípios mineradores da região norte, relativo ao ano de 2010, no que consiste a aplicação do recurso incremental referente à CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) em seus indicadores socioeconômicos. As unidades analisadas são constituídas por municípios arrecadadores e não arrecadadores do royalty mineral (CFEM), pertencentes a região Norte do Brasil, no qual os municípios não arrecadadores servem apenas para comparação de eficiência com os mineradores. O instrumento metodológico empregado para realizar a mensuração da eficiência técnica foi a Data Envelopment Analysis (DEA). Os resultados mostram haver evidências de que os municípios que recebem os royalties pela exploração mineral em seu território apresentam escores de eficiência superior aos não mineradores para os indicadores econômicos, educação, saneamento e saúde. No entanto, a maior parcela deles apresenta escores de eficiência abaixo de 50,0%.

Palavras-chave: Eficiência técnica, mineração, indicadores, orçamento municipal

TN_STO_197_115_26035 - CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO UNITÁRIO DE ESTOJO ESCOLAR: USO DO CUSTEIO VARIÁVEL NUMA PEQUENA CONFECÇÃO

Autores:
Getulio da Silva Abreu, Marilia de Fatima da Costa Mello Barroso, ALDO SHIMOYA e Alan Barreto Mayerhoffer.

Resumo:
O objetivo geral deste trabalho foi encontrar o custo unitário de produção (CP/un.) de estojos escolares de uma pequena confecção de Campos dos Goytacazes - RJ. Os objetivos específicos foram: a) mensurar os componentes do custo de produção: matéria-prima (MAT), mão de obra direta (MOD) e custo indireto de fabricação (CIF). Além das despesas diversas (DD); b) fazer uma demonstração do resultado do exercício (DRE) mensal e c) obter um gráfico de ponto de equilíbrio contábil (PEC) da pequena confecção de estojo escolar. Quanto aos fins, trata-se de um estudo quantitativo, com caráter descritivo; e quanto ao meio de investigação, foi utilizado um estudo de caso in loco. Fez-se um levantamento na própria confecção, com intuito de entender a produção dos estojos escolares. Em seguida, partiu-se para a contabilização dos gastos gerais da pequena fábrica. Por fim, foi possível identificar pelo custeio variável que o CP/un. era de R$9,22/estojo. Com vendas de 750 unidades mensais, a pequena confecção tem um ponto de equilíbrio contábil (PEC) de 158 estojos/mês e margem de segurança (MS) de 79,00%, gerando um lucro considerável de R$ R$2.366,98 ao mês. É notório que o estudo feito pelo engenheiro de produção contribuirá para o gestor adotar melhores práticas no futuro.

Palavras-chave: Custeio variável, Custo unitário de produção, Estojo escolar, Ponto de equilíbrio contábil

TN_STO_197_117_26103 - ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE ARGAMASSAS COLANTES

Autores:
JEFFERSON DOS SANTOS PINTO, ARLISSON DA COSTA OLIVEIRA e LUCAS SILVA DA TRINDADE.

Resumo:
A construção civil é, sem dúvida, uma atividade que alavanca o desenvolvimento econômico de qualquer Estado. Em Macapá, capital do Estado do Amapá não é diferente. Com as mudanças na Legislação relacionada ao Plano Diretor, observamos duas consequências que são interligadas entre si: maior verticalização da Cidade e o consequente aquecimento do setor de construção civil. É sobre esse Cenário de desenvolvimento urbano que é baseado o artigo, analisando a viabilidade de se implantar uma indústria de argamassas colantes na cidade de Macapá. Para a referida demonstração, utilizamos o estudo de viabilidade econômico-financeira do investimento através das ferramentas de Engenharia Econômica e levantamento de dados do IBGE e SEBRAE para comprovarmos se o projeto de implantação desta indústria é viável ou não dentro da realidade econômica em que vive o Estado do Amapá.

Palavras-chave: viabilidade, investimento, argamassa.

TN_STO_197_115_26113 - CUSTO UNITÁRIO DE PICOLÉS PELO CUSTEIO DE ABSORÇÃO: ESTUDO DE CASO EM PEQUENA FÁBRICA DE SÃO JOÃO DA BARRA - RJ

Autores:
Getulio da Silva Abreu, ALDO SHIMOYA, Lucas da Silva Freitas, VERONICA DE SIQUEIRA BARBOSA e cintiha oliveira lemos.

Resumo:
O objetivo geral deste trabalho foi calcular o custo unitário de picolés de fruta e ao leite numa fábrica de pequeno porte do município de São João da Barra - RJ, através do custeio de absorção. A pesquisa baseia-se num estudo de caso com caráter descritivo e quantitativo. A empresa produz uma média de 110.000 un. de picolés, sendo 44.000un. à base de fruta e 66.000 un. à base de leite. O custo com matérias-primas (MAT) dos picolés ao leite foi de R$0,51, enquanto o picolé de fruta consumiu R$0,24. A mão de obra direta (MOD) de ambos os picolés foi de R$0,03/un. Os custos indiretos de fabricação (CIF) foram divididos em fixos e variáveis, e alçaram os respectivos valores mensais de: R$9.597,16 e R$2.908,00. O CIF(fixo) foi rateado aos picolés com a base de rateio MAT, e o CIF(variável) foi distribuído proporcionalmente em relação as unidades produzidas. Foi possível verificar que a fábrica tem um custo mensal de R$15.335,00 referente aos picolés de fruta e R$44.690,16 para os picolés ao leite. Ao dividir os custos pelas unidades produzidas, obtiveram-se os custos unitários de: R$0,35/picolé de fruta e R$0,68/picolé ao leite. Finalmente, a análise feita pelo engenheiro de produção foi satisfatória e o estudo mostrou um mecanismo simples de determinação do custo unitário, que poderá ser feito na fábrica sempre que necessário.

Palavras-chave: Custeio de absorção, Custo unitário, Fruta, Leite, Picolé



Sobre a ABEPRO   |   Associe-se   |   Novidades   |   Contatos   |  

Sede Administrativa: Av. Almirante Barroso, Nº 63 - Sala 417 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - BRASIL - CEP: 20031-003

Todos os direitos reservados © 2008 - ABEPRO - Melhor visualizado no Internet Explorer 5.5 ou superior